terça-feira, maio 30, 2006

O Tudo e o Nada

Há alguns dias o Papa Bento XVI visitou o complexo Auschwitz-Birkenau, o maior centro de extermínio nazista. No lugar que guarda a memória de um gigantesco flagelo humano, o Papa afirmou: “(...) No final, só pode haver um aterrador silêncio, um silêncio que é por si só um franco grito para Deus: Por que, Senhor, permaneceu em silêncio? Como pôde tolerar tudo isso?”. Tal indagação ainda deverá ser bem debatida mas, desde que a li, penso que se um espírito elevado como o do Santo Padre expressa tal dúvida sofrida, o que se poderá cobrar de um ser mais terreno, como nós e tantos demais, perante tais atos de impensável barbárie? Pensamos em Deus e tentamos, em vão, entender Seus desígnios...

A propósito da foto: como é bem sabido, os prisioneiros, ao chegarem a Auschwitz, eram separados: os presumivelmente mais fracos eram levados pelos nazistas para uma ala mais afastada a fim de tomarem "banho", livrando-se dos piolhos contraídos na viagem nos vagões de carga. Na verdade eram trancados em câmaras seladas, inundadas por uma nuvem letal de gás Zyklon B. O grupo que ainda reunia alguma força era escravizado e amontoado em galpões, padecendo em campos de trabalho forçado, em turnos intermináveis, sob a vaga ilusão da reconquista da liberdade, embalados pela frase que se vê na imagem, uma sádica farsa nazista, coroando o portão de Auschwitz: “Arbeit macht frei”. Em nosso português, “O trabalho liberta”.

7 comentários:

Cunegundes disse...

Isso dá um arrepio...

J@de disse...

Parei prá pensar também... em Deus, no livre-arbítrio, em desgraças bíblicas anteriores... nós somos seres estranhos...
Amanhã volto com calma prá ler mais, se prepare pq eu gosto de comentar tudim!!
Beijos!!

Anônimo disse...

O ser humano é realmente dualista, como o bem e o mal. Não se imagina que sejamos capazes de causar tanto sofrimento, um sentimento que nunca passa...e, em outros momentos, alegrias imensas, mas que são fugazes, passageiras.Só mesmo recorrendo a forças superiores para entender...

Tê Granato disse...

Pois é Fred, acho que todu mundo com o mínimo de consciência foi levado a questionamentos quando leu essa reportagem...claro esse extermínio foi algo bárbaro.Faz-nos questionar questões bastante filosóficas por sinal, relacionadas à existência de Deus, o livre arbítrio como o amigo falou tb e antes de tudo ao ser humano.Essa é a questão básica né?Até aonde o ser humano pode ir? Não existe limites para sua crueldade do mesmo modo que para sua bondade...é esse movimento antagônico que nos divide, que muitas vezes nos dilacera a alma e nos faz nos surpreendermos com nós mesmos.

Tê Granato disse...

continuando...esse tema faz a gente pensar também aonde estava a representante de Deus aqui nesse momento..sabemos que várias vezes a igreja colaborou seja de forma prática seja pela omissão com os nazistas..me pergunto também que muitos povos sofrem até hoje perseguições como os negros que até hoje são extremamente perseguidos ou esquecidos..os árabes estão sendo alvo de uma perseguição ferrenha por parte dos americanos e adeptos. E por fim pensar que existem pessoas no Brasil que são tratados como escravos...e o que fazer diante desses absurdos? Gostei dessa sua colocação tem muito pano pra manga esse tema.Desculpe te invadir no meio da madrugada...mas como você sabe eu sou das madrugas...bjs Tê.

Dani Faria disse...

Sabe Frderico, o coment do Papa merecia uma resposta muito bem dada da comunidade Judaica. "Onde estava a igreja q fechou os olhos?" E os colaboracionistas q entregavam os judeus, onde estão? D'us não interfere no livre-arbítrio do homem. Os judeus sabem disso. Somos sempre responsaveis por nossos atos, com certeza. Mas eu fiquei chocada com o coment. Ui!

Anônimo disse...

necessario verificar:)